Agronegócios

41 usinas usam material orgânico para a produção de energia no Paraná

Segundo um estudo da Fiep (Federação das Indústrias do Estado do Paraná), feito a partir de dados da Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica), o Paraná conta com 41 usinas usando materiais orgânicos para a produção de energia. A maioria utiliza o bagaço da cana, mas há também aproveitamento de esgoto, pela Sanepar, e de dejetos de animais por diversos produtores rurais.

A conclusão da Fiep é de que o Estado subutiliza o seu potencial da biomassa, especialmente levando em consideração a grande produção rural. “A pecuária do Paraná abasteceria um município de 709.000 habitantes, equivalente à soma da população atual de Londrina e Paranaguá”, conclui a Fiep.

O principal centro de estudos brasileiro sobre o biogás está no Parque Tecnológico Itaipu (PTI), em Foz do Iguaçu. O CIBiogás ( Centro Internacional de Energias Renováveis) é formado por 22 instituições e apoia 11 unidades de produção de biogás no país.

O projeto mais ambicioso deve ficar pronto em 2019 – quando será finalizada uma rede integrada de 19 biodigestores em 19 propriedades suinocultoras da região de Entre Rios do Oeste. Quando o projeto estiver pronto, a expectativa é de que toda a energia pública consumida pela prefeitura venha através do sistema, zerando a conta do município.

Grupo de energias limpas

O governo do Estado instituiu ontem um grupo de trabalho para colocar em andamento o “Programa Paranaense de Energias Renováveis”. A Secretaria do Planejamento será a coordenadora do novo programa, que quer promover e incentivas a produção e o consumo de energias renováveis, principalmente a eólica, solar e biomassa.

Entre as primeiras ações previstas está a integração do programa ao Paraná Competitivo (que oferece incentivos fiscais para empresas que investem no Estado) e a busca por fontes de financiamentos para projetos de energia renovável. Segundo o governo, um dos primeiros temas a ser tratado é o uso de dejetos de animais, como suínos e bovinos, para a geração de energia (veja mais ao lado).

O Estado tem o maior rebanho de suínos do País, com 7,13 milhões de cabeças, segundo dados do IBGE. “Precisamos dar um fim para os resíduos produzidos pelos animais, e um deles poderia ser a destinação para a produção de energia renovável”, disse o secretário do Planejamento e Coordenação Geral, Juraci Barbosa Sobrinho.

Metas

A política energética nacional, seguida pelo Estado. prevê redução da participação da hidroeletricidade de 81% para 73% até 2020 e a ampliação da geração de energia proveniente de biomassa de 5% para 10% e da energia eólica de 0,4% para 4%. M.

Agro Paraná

Comentários

comentários

Comentar