Maringá

Casa de Custódia de Maringá começa a receber celas modulares

Com capacidade total para 120 presos, as celas são consideradas medidas emergenciais.

A Casa de Custódia de Maringá (CCM) recebeu, na última segunda-feira (1º), as primeiras dez celas modulares (shelters) que serão instaladas na unidade prisional. Com capacidade total para 120 presos, as celas são consideradas emergenciais para ampliar as vagas do sistema carcerário.

Por meio do núcleo de comunicação, a Secretaria de Segurança Pública e Administração Penitenciária do Paraná (Sesp) informou que, até o fim desta semana, devem chegar à CCM outras quatro celas. As cinco últimas são aguardadas para a próxima semana.

O funcionamento das celas depende agora da instalação de redes elétrica, água e esgoto. A Sesp não informou o prazo para que as unidades comecem a receber detentos.

Com os módulos, a intenção é desafogar principalmente as delegacias do Paraná. Em Maringá, o minipresídio da 9ª Subdivisão Policial (9ª SDP) foi demolido em 2015, mesmo assim, a delegacia abriga hoje mais de 100 presos, entre homens e mulheres, em espaço com capacidade para cerca de 30.

Segundo a Sesp, a remoção dos detentos das delegacias para o sistema prisional ficará a critério do Comitê de Transferência de Presos (Cotransp) e do Departamento

Penitenciário do Paraná (Depen).

Estrutura

Cada shelter, com estrutura de concreto, tem 17,7 metros quadrados e capacidade para 12 presos, o que representa quase 1,5 metro quadrado por preso. O valor das dez unidades que ficarão na CCM chega a R$ 1,4 milhão.

Estruturas semelhantes estão sendo instaladas em Curitiba, Piraquara, Guarapuava, Londrina e Cornélio Procópio. Ao todo, serão 57 unidades no Paraná, com custo de R$ 8 milhões ao governo.

Comentários

comentários