Maringá

Prefeito entrega escritura do terreno para construção do Parque Biotecnológico

Em solenidade realizada na tarde desta sexta-feira (9), na sede da Associação Comercial e Empresarial de Maringá (Acim), o prefeito Ulisses Maia entregou ao governador do Paraná, Beto Richa, à vice-governadora Cida Borghetti, e ao ministro da Saúde, Ricardo Barros, a escritura definitiva do terreno que vai abrigar a construção do Centro de Desenvolvimento e Produção de Medicamentos Biológicos do Instituto de Tecnologia do Paraná (Tecpar).

A entrega da escritura foi feita em companhia do vice-prefeito Edson Scabora e dos vereadores William Gentil, Jean Marques e Odair Fogueteiro. Em seu pronunciamento o prefeito lembrou que, no ano passado, a Câmara Municipal de Maringá aprovou a lei e, no dia 10 de agosto, a cessão do terreno de 95,5 mil metros quadrados foi formalizada durante ato realizado na Sala de Reuniões da Prefeitura, na presença de cartorários oficiais de registro de imóveis e do diretor Presidente do Tecpar, Júlio César Félix.

“É uma grande alegria para mim e todos os maringaenses consolidar a implantação deste Parque Biotecnológico do Tecpar em nossa cidade. Depois daquela cerimônia no ano passado, nós assinamos também o protocolo de intenções para que o processo licitatório para a construção do empreendimento fosse iniciado. Hoje, o projeto dá um grande passo para se tornar realidade”, enfatizou.

A cerimônia de entrega da escritura foi acompanhada pela vice-governadora Cida Borghetti; o vice-prefeito de Maringá, Edson Scabora; deputados federais; estaduais; pelo presidente da Acim, José Carlos Valêncio; diretores do Tecpar; secretários municipais e outras lideranças empresariais e políticas da região.

O governador Beto Richa agradeceu a atitude do prefeito e lembrou que o empreendimento traz benefícios não só para Maringá, mas, também para o Paraná e o Brasil. “É uma importante parceria que transforma Maringá também em um sólido pólo farmacêutico regional”, observou.

O Ministério da Saúde definiu que o Tecpar vai abastecer 50% do que é usado hoje pelo SUS dos medicamentos Bevacizumabe e Infliximabe, 40% do Trastuzumabe, 30% do Adalimumabe e 20% do Etanercepte e do Rituximabe. O Trastuzumabe deve ser fornecido no início do segundo semestre de 2018 e o Infliximabe no final do ano – os demais, devido à patente, só serão fornecidos a partir de 2019.

A nova unidade contará com uma fábrica de finalização de medicamentos biológicos, um centro de distribuição e o laboratório de Controle da Qualidade. A unidade de fill and finish tem como objetivo realizar a formulação, envase, embalagem e armazenamento de medicamentos produzidos pelo instituto.  Nos próximos anos, novas plantas biológicas serão instaladas no local.

Diretoria de Comunicação

Comentários

comentários