Comportamento

Síndrome do coração partido: sim, ela existe – e traz sérios riscos para a saúde

“Meu coração está doendo”. Provavelmente você já disse ou ouviu essa frase de alguém em um momento de sofrimento pelo fim de um relacionamento amoroso, perda de um parente ou amigo querido, um choque traumático ou uma briga séria. Quando enfrentamos uma perda, desilusão ou tristeza profunda a dor emocional é tanta que, muitas vezes, a sensação é de que ela se transfere para o corpo. E de fato isso acontece.

Pouca gente sabe, mas a dor emocional pode efetivamente gerar consequências físicas. Assim, da mesma forma que existem lesões físicas causadoras de dores crônicas, a dor emocional permanente, aquela que envolve sentimento e é difícil de ser superada, pode se traduzir em uma dor ou alteração no corpo, inclusive no coração.

Estamos falando aqui da Síndrome do Coração Partido, também conhecida como cardiomiopatia induzida por estresse ou Síndrome de Takotsubo. Trata-se de uma alteração súbita, normalmente desencadeada por situações de estresse agudo e de intensidade elevada, que alteram de forma importante o funcionamento do coração.

Como essa tal síndrome age no nosso coração?

Por algum tempo, essa patologia foi tida como uma doença psicológica, mas estudos mostraram que, nos pacientes acometidos pela síndrome, os ventrículos do coração realmente não contraem corretamente.

Em resumo, a Síndrome do Coração Partido gera um descompasso temporário no funcionamento do músculo cardíaco. Enquanto as outras partes do ventrículo funcionam normalmente ou apresentam contrações mais rápidas e descontroladas, o ápice e o centro do ventrículo esquerdo sofrem uma paralisia transitória durante a sístole, distúrbio que o deixa sem força suficiente para bombear o sangue para o corpo.

O acúmulo de sangue dentro do ventrículo esquerdo lhe confere um formato abaulado, que dá a impressão do coração estar “partido ao meio” – daí o nome da síndrome.

Entenda o que gera essa alteração

Segundo a American Heart Association, a Síndrome do Coração Partido é uma cardiomiopatia adquirida primária, responsável por 1% a 2% dos casos de síndrome coronariana aguda por obstrução das artérias coronárias.

De acordo com as pesquisas já realizadas, a patologia se manifesta geralmente em mulheres por volta dos 40 anos, mas ela pode surgir em qualquer idade, afetando também homens.

Os sintomas são semelhantes aos de um ataque cardíaco – em pessoas predispostas, mas sem nenhum sinal de doença obstrutiva nas coronárias. Geralmente, a pessoa que apresenta esse tipo de cardiomiopatia tem início súbito de insuficiência cardíaca, juntamente com fortes dores no peito e alterações no eletrocardiograma que sugerem o infarto.

No entanto, a Síndrome do Coração Partido tem como gatilho fatores emocionais, e não o bloqueio de artérias. Isso ocorre porque as situações de estresse provocam aumento na produção de adrenalina e outros hormônios liberados pelas glândulas adrenais. Esses hormônios atuam sobre as artérias coronárias, determinando o estreitamento desses vasos que irrigam o músculo do coração e consequentemente alteraram sua contratilidade.

Sintomas e tratamento

Além dos sintomas já mencionados, como falta de ar e dores no peito, os pacientes podem apresentar tonturas, vômitos, perda de apetite ou dor no estômago, raiva, tristeza profunda ou depressão, dificuldade para dormir, cansaço excessivo, perda de autoestima, entre outros.

Após o diagnóstico, o tratamento deve ser realizado por uma equipe multidisciplinar, incluindo um cardiologista e um psicólogo, para que o paciente supere o trauma que está causando o acúmulo de estresse emocional. Além disso, a prática orientada de uma atividade física também pode ajudar.

A Síndrome do Coração Partido é interrompida, de modo geral, em curto prazo, em dias, semanas ou até dois meses, recuperando totalmente a contratilidade miocárdica. Em alguns casos, os sintomas desaparecem mesmo sem tratamento, a medida que o estresse é minimizado.

Sabemos que durante a vida teremos que enfrentar situações difíceis, tristes e que não conseguimos evitar. O importante é que possamos superar essas situações para, assim, remediar nossas dores emocionais e físicas.

Comentários

comentários