Mandaguaçu

Uso indiscriminado de máscaras faz sumir mercadoria do comércio

Pacientes e profissionais da saúde necessitam desse EPI para trabalhar

A máscara descartável é um Equipamento de Proteção Individual (EPI) indispensável para a manutenção da saúde e para a proteção do trabalhador que atua diretamente com pessoas doentes. O uso desse utensílio é mais comum entre os profissionais da saúde, como técnicos de enfermagem, enfermeiros, médicos, fisioterapeutas, dentistas, entre outras categorias. Mas também podem ser bastante utilizadas por cuidadores responsáveis por familiares doentes. O uso indiscriminado de máscaras pela população está causando o desabastecimento do produto no comércio. Os fornecedores desse tipo de EPI estão com dificuldades para atender a todos os pedidos. Trata-se de um equipamento de proteção indispensável ao enfrentamento do coronavírus. No entanto, deve ser utilizado apenas por quem realmente necessita. Com receio da aproximação do coronavírus é que boa parte da população de Mandaguaçu passou a utilizar a máscara descartável em atividades do cotidiano, como ir ao mercado, na expectativa de estar se protegendo da contaminação. No entanto, se o indivíduo não está doente, sequer foi orientado por um profissional da saúde a utilizar o acessório, nem manifestou sintomas de gripe, é sinal de que não precisa usá-lo. Utilizar máscara em lugares públicos, quando se está saudável, oferece pouca eficácia como forma de evitar pegar o vírus. Quem precisa realmente colocar a máscara é o doente e os profissionais da saúde, pois a máscara descartável pode acarretar em consequências negativas se usada sem necessidade. Por exemplo, se 10 pessoas estão num mesmo ambiente, nove delas estão sadias e usando máscaras, mas uma delas está doente e sem. Se essa pessoa que está desprotegida espirrar, as gotículas se espalharão rapidamente por todos os cantos, atingindo as demais pessoas e objetos ao redor. Facilitando a disseminação da doença em que julgava estar protegido atrás apenas de uma máscara descartável. No entanto, se é a pessoa doente quem está com a máscara (ao invés dos indivíduos saudáveis) e ela espirrar, as gotículas ficarão contidas dentro da máscara, o que resulta na proteção das demais pessoas. Deixar as máscaras descartáveis para o uso exclusivo de quem realmente precisa é um ato de solidariedade e de sensatez.
Fonte: Assessoria de Imprensa

Comentários

comentários