Maringá

Maringá é referência no enfrentamento à Covid-19

A estratégia da Prefeitura de Maringá, por meio da Secretaria de Saúde, é referência no Paraná no combate à covid-19. A eficiência da vacinação na cidade, reconhecida pelo jornal Folha de S.Paulo, é um dos pontos positivos desta luta. Ela se deve à estratégia de vacinação organizada e ágil, aos investimentos em recursos humanos e competência das equipes da saúde.
O município ainda luta para adquirir vacinas para compensar a lentidão no envio do imunizante por parte do Governo Federal. Para tanto, aderiu ao Consórcio Nacional de Vacinas das Cidades Brasileiras, entidade formada pela Frente Nacional de Prefeitos para negociar a compra de imunizantes contra a Covid-19.
Para o prefeito de Maringá, Ulisses Maia, os resultados positivos da saúde em Maringá se devem a vários fatores. “O principal deles é a gestão eficiente dos recursos do Município, que dão à Prefeitura a autonomia para investir fortemente em pessoal, estrutura física, equipamentos, ampliação de leitos e insumos com o objetivo de prestar o melhor atendimento possível tanto aos pacientes quanto às pessoas que procuram as unidades de saúde com os sintomas da doença”, afirma Ulisses.
No primeiro semestre deste ano, a Prefeitura investiu R$ 327,8 milhões na saúde em geral, R$58 milhões somente direcionados ao combate à covid-19 e R$99,9 milhões de recursos próprios. No enfrentamento à covid, R$22,7 milhões foram usados em recursos humanos, R$16,7 milhões para leitos de UTI, e R$1,9 milhões para compra de equipamentos hospitalares.
Para o enfrentamento da pandemia, a Prefeitura tem contratado muitos médicos, enfermeiros e técnicos. Somente nos três primeiros meses de 2021, foram admitidos cerca de 400 trabalhadores de saúde. Entre os investimentos, a Secretaria de Saúde habilitou novos leitos de UTI e de enfermaria exclusivos covid-19 no complexo de saúde da Zona Sul. O aumento foi de 107% leitos de enfermaria (75 novos leitos) e de 55% de UTIs (20).
Novos equipamentos foram incorporados para otimizar a estrutura e o atendimento dos pacientes com coronavírus. Entre eles, 28 respiradores, parte comprada pela Secretaria de Saúde e parte doada pela sociedade civil organizada, Governo do Estado e municípios da região.
Para atender a grande demanda gerada pela covid-19, a Prefeitura adquiriu um novo tanque de oxigênio, triplicando a capacidade de estocagem no complexo Hospital Municipal-UPA Zona Sul e Policlínica Zona Sul (era 10 e passou para 30 mil metros cúbicos). Também foram instalados quatro novos geradores de energia, adquiridos mais 30 cilindros de oxigênio com 40 litros cada e 50 fluxômetros com válvulas.
Diretoria de Comunicação da PMM

Comentários

comentários