Maringá

MEIO AMBIENTE Lava-Jato embargado se regulariza e volta a atender

O Lava-Jato na Vila Morangueira, em Maringá, que foi embargado no começo do mês já regularizou sua situação e voltou a atender seus clientes. Fiscalização da Secretaria de Meio Ambiente (Sema), Vigilância Sanitária, Secretaria da Fazenda e Sanepar – com apoio da Guarda Municipal – encontrou várias irregularidades no local após denúncia no 156. O proprietário foi comunicado e portão da empresa lacrado. No dia seguinte o empresário foi até a Sema, recebeu orientações, acertou as pendências e já voltou a trabalhar. “Todas as ações da Sema tem como objetivo único a preservação do Meio Ambiente”, considera o secretário de Meio Ambiente e Bem Estar Animal, Marco Antônio. “Alinhamos nossas ações de agentes licenciadores, fiscalizadores e de educação ambiental, com a necessidade do desenvolvimento sócio econômico”.

Assim, a prefeitura faz uma relação de prevenção e não de punição com os infratores. Sempre que uma empresa estiver em situação irregular, o proprietário pode procurar a secretaria de seu segmento para acertar sua situação. Evitando embargo, multa e até fechamento. Foi o que aconteceu com o Lava-Jato embargado.
Entre os problemas identificados no local no dia 8 de janeiro estavam destinação incorreta dos efluentes gerados, falta de documentação, ausência de licença ambiental, vários focos com larvas do mosquito Aedes Aegypti (transmissor da dengue) e o local não possuía ligação de água válida pela Sanepar. O empresário foi até a Sema, Secretaria de Saúde e Sanepar. Após orientações ele fez as adequações e recebeu as licenças para trabalhar adequadamente.

Outra iniciativa preventiva da Sema aconteceu no final do ano passado. Operação Ipojuca mapeou empresas e foi a campo em parceria com a Sanepar orientando empresários. Hidrobacia na região do Mandacaru foi mapeada com 384 empresas com potencial poluidor.
A Sema fez 7516 vistorias em 2019. Resultando em 840 notificações e 376 autos de infração. A Ouvidoria recebeu 3588 reclamações, sendo atendidos 97,4% dos casos.
PMM

Comentários

comentários