Maringá

MEIO AMBIENTE Sema tem ações permanentes de preservação dos córregos

A Secretaria de Meio Ambiente e Bem Estar Animal de Maringá (Sema) tem ações permanentes para preservação e proteção da bacia hidrográfica maringaense. São aproximadamente 100 córregos somando 75 quilômetros de extensão. “A fiscalização é rigorosa contra quem polui. Aplicamos multas e se for uma empresa pode até ser fechada”, anuncia o secretário da Sema, Marco Antônio.

Por isso, quando há algum problema como crime ambiental com poluição de córrego, o caso é rapidamente resolvido. Como foi no fim de setembro com poluição do ribeirão Maringá ocasionando morte de peixes. Em menos de dois dias a equipe de fiscalização da Sema identificou o agente poluidor e autuou e embargou a empresa.

Entre as iniciativas de preservação da Sema está cercar as áreas de fundo de vale, recuperar lotes públicos com Termos de Ajuste de Conduta (TAC) ou Termos de Compromisso (TC) com empresas que tem alguma situação irregular, instalar placas de sinalização e alerta.

O biólogo da Sema, Rogério Lima, comenta que um destaque é a ampliação do espaço não edificável na Área de Preservação Permanente (APP) nos fundos de vale. Enquanto a lei federal determina 30 metros, Maringá tem legislação própria para 60 metros. Outro ponto positivo é o Plano Municipal de Preservação e Recuperação da Mata Atlântica – já que Maringá tem 19 áreas verdes – com a cidade sendo pioneira nesse documento. Onde estão os corredores ecológicos, com conexão entre os córregos, fazendo com que haja um fluxo de biodiversidade.

Os córregos urbanos são os quem tem menos de 10 metros largura. O município está na Bacia do Prata, cujo principal afluente é o Rio Paraná. Os córregos maringaenses desaguam no rio Pirapó na região Norte e no rio Ivaí no Sul. Um dos principais é o ribeirão Maringá que tem vários córregos tributários. Nasce como Nazaré, entre a Zona 6 e a avenida Colombo, e desagua no rio Pirapó, num trajeto de 19 quilômetros.

Até o final de setembro a Sema aplicou 42 notificações e nove autos de infração esse ano, somando R$ 5 milhões. É importante a população denunciar quando ver alguma suspeita de poluição ambiental. Isso também ajuda a preservar o Meio Ambiente. As denúncias no 156 aumentaram quatro vezes em relação ao ano passado, somando 33 registros esse ano.PMM

Comentários

comentários