Rolandia

Criticado em parte da cúria por sua postura mais aberta em relação à comunidade LGBT, o papa Francisco afirmou que “se preocupa” com a homossexualidade dentro do clero. Em entrevista ao livro “La forza della vocazione” (“A força da vocação”, em tradução livre), lançado na semana passada, na Itália, pelo missionário Fernando Prado, o líder da Igreja Católica afirma que essa é “uma questão muito séria” e cobra mais “atenção aos candidatos nos seminários”. “[A homossexualidade entre padres e religiosos] É algo que me preocupa, porque, talvez, não tenha sido bem abordada. […] Devemos cuidar muito da maturidade humana e afetiva na formação […] Quando não se cuida com discernimento de tudo isso, os problemas crescem. Como eu dizia antes, às vezes eles não são evidentes no começo, mas depois se manifestam”, diz o Papa. + França começa a negociar com ‘coletes amarelos’ “A homossexualidade é uma questão muito séria e que precisa ser identificada adequadamente desde o início nos candidatos [nos seminários], se for o caso. Devemos ser exigentes”, acrescenta Jorge Bergoglio, reforçando que “a homossexualidade parece estar na moda”, o que acaba “influenciando na vida da Igreja”. No livro, Francisco ainda relata a história do bispo de uma “diocese muito grande” que lhe contou ter descoberto “vários” padres homossexuais. “Ele interveio, antes de tudo, na formação, para criar um clero diverso. Não podemos negar essa realidade”, afirma. Em outro caso, um religioso visitou uma das províncias de sua congregação, encontrou “excelentes jovens” seminaristas gays e perguntou ao Papa se havia alguma coisa de errado. “‘Resumindo’, ele dizia, ‘não é tão grave, é apenas uma expressão de afeto’. É um erro”, conclui. Francisco já foi acusado até de heresia nas alas mais conservadoras da Igreja por suas declarações de abertura a homossexuais, como na ocasião em que disse que os pais não devem “condenar” filhos gay, em agosto deste ano. Além disso, em maio passado, o Papa disse a frase “Deus te ama assim” a um homossexual vitima de pedofilia. Em outro episódio, logo no início de seu pontificado, surpreendeu o mundo com a pergunta “Quem sou eu para julgar?” ao falar sobre gays. Recentemente, o Vaticano também usou pela primeira vez o termo “LGBT” em um documento oficial. (ANSA)

Uma pessoa morreu e outras sete ficaram feridas, na manhã desta segunda-feira (3), durante uma troca de tiros em uma tentativa de assalto a carro-forte no Centro de Rolândia, na região norte do Paraná. De acordo com o Hospital São Rafael, entre os feridos está um bebê de sete meses que teve escoriações, mas passa bem.

O tiroteio aconteceu por volta das 10h30 em frente a uma agência da Caixa Econômica Federal quando os bandidos tentaram roubar o carro-forte que abastecia o local.

Todos os feridos estavam do lado de fora da agência. Segundo o hospital São Rafael, nenhum deles precisará ficar internado. Dos sete feridos, um homem, de 49 anos, foi atingido por um disparo no braço. Uma jovem, de 18 anos, foi atingida com um tiro na panturrilha. Uma idosa, de 68 anos, foi atingida de raspão na perna, e uma adolescente, de 16 anos, levou um tiro de raspão na região do quadril. Os demais foram feridos com estilhaços de vidro.

De acordo com a Polícia Militar, o corpo de um assaltante foi encontrado pouco depois, dentro de um carro utilizado na tentativa de assalto. Por volta das 13h30, o corpo ainda aguardava a chegada do Instituto Médico Legal (IML). Ainda segundo a Polícia, ele foi morto com tiros disparados pelos próprios comparsas. As equipes policiais ainda fazem rondas na região, pois há suspeita de que o carro dos assaltantes ainda está na cidade.

Procurada pela reportagem da Rádio CBN Curitiba, a Caixa Econômica informou que não irá se manifestar sobre o ocorrido por questões de segurança, mas que colabora com todas as investigações.

Comentários

comentários