Economia

Guedes negocia acordos comerciais e tributários em Davos

“Temos trabalhado em busca de melhores práticas, mais transparência, combate à corrupção, abertura da Economia”, disse Guedes.
O ministro Paulo Guedes (Economia) se reuniu nesta quarta-feira (22) com o chanceler do Erário do Reino Unido, Sajid Javid, posto correlato ao de ministro da área econômica. O ponto central do encontro foi a negociação do acordo para evitar bitributação ente os dois países.

“Taxa sobre serviços técnicos e preços de transferência são dois últimos obstáculos a serem removidos”, disse Guedes à reportagem.

Negociação com representantes de governos faz parte da agenda da equipe econômica durante o Fórum Econômico Mundial, em Davos, que ocorre até sexta-feira (24).

Nesta terça-feira (21), Guedes também se reuniu com representantes da EFTA, associados de livre comércio que reúne Finlândia, Noruega, Suíça e Liechtenstein, para alinhar pontos do acordo comercial.

“Queremos acordo com Coreia do Sul, Japão e Canadá. Tudo gradual, para dar tempo de conseguirmos juros baixos, desregulamentação, simplificação e redução de impostos. Tudo gradual, para assegurar competitividade da indústria brasileira”, disse o ministro.

Também está em discussão a adesão do Brasil ao GPA (Government Procurement Agreement) da OMC (Organização Mundial do Comércio) que, pelos cálculos da equipe econômica, abre mercado de US$ 1,7 trilhões (R$ 7,1 trilhões) para empresas brasileiras e impede a corrupção em compras do governo.

A adesão ao GPA é considerado passo importante para a ambição do governo Jair Bolsonaro de colocar o Brasil na OCDE (Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico).

“Temos trabalhado em busca de melhores práticas, mais transparência, combate à corrupção, abertura da Economia”, disse Guedes.

Nesta terça, Guedes também teve um breve encontro com o secretário de Comércio dos Estados Unidos, Wilbur Ross, integrante da comitiva de Donald Trump em Davos. Neste caso a conversa foi mais informal.

“Estive com Wilbur Ross para agradecer ajuda. Trump ameaçou tarifas no aço acusando Brasil desvalorizar moeda artificialmente. Pedi ajuda na ocasião a ele, que eu o conhecia antes mesmo de irmos para os governos. Ele nos ajudou muito com Trump”, disse Guedes.

‘DEMOCRACIA ESTÁVEL’

No Fórum Econômico Mundial de Davos, Guedes quer mostrar que o Brasil, além de ser um país em recuperação econômica, tem uma democracia estável. Portanto, oferece um ambiente completo de boas oportunidades a investidores do mundo todo.

“Ecos provocados pelos próprios brasileiros que se opõem ao governo deram uma ideia errônea aos investidores sobre o que tem acontecido. Eu vou apresentar os números [em reuniões a investidores]”, diz ele. “O Brasil tem uma democracia estável, pujante e que funciona, e os investidores precisam ter clareza disso”, disse o ministro à reportagem.

Na avaliação de Guedes, um dos indicativos de que as instituições “estão saudáveis” no país foi a reação do governo aos protestos contra o vídeo do ex-secretário especial da Cultura, Roberto Alvim. Em pronunciamento na sexta-feira (17), Alvim copiou Joseph Goebbels, ministro da propaganda durante o governo Nazista de Hitler, e provocou onda de protestos que o presidente Jair Bolsonaro a demiti-lo.

“A mais recente demonstração de que nossa democracia está fortalecida foi a rápida decisão do presidente Bolsonaro de demitir o secretário”, diz Guedes, que soube do vídeo e sua repercussão quando estava nos Estados Unidos para apresentar uma palestra na Mont Pelegrín Society, na Universidade de Stanford.

Comentários

comentários