Futebol

Em noite histórica, Athletico vence o Grêmio e está na final da Copa do Brasil

O Athletico Paranaense está na final da Copa do Brasil 2019. A vaga foi garantida nessa quarta-feira (dia 4) à noite, com a vitória nos pênaltis por 5 a 4 sobre o Grêmio, na Arena da Baixada, na partida de volta da semifinal. No tempo normal, o time paranaense venceu por 2 a 0. No jogo de ida, em Porto Alegre, o time gaúcho ganhou por 2 a 0 e ficaria com a vaga na final até mesmo com uma derrota por um gol de diferença no tempo normal. O gol como visitante não é critério de desempate.

Na final, o Furacão vai enfrentar o Internacional, que nesta quarta-feira à noite eliminou o Cruzeiro ao vencer por 3 a 0.

Na decisão por pênaltis, todos acertaram para o Athletico: Bruno Guimarães, Lucho, Nikão, Cirino e Marco Ruben. Para o Grêmio, converteram: Galhardo, David Braz, Alisson e Matheus Henrique. O goleiro Santos pegou a cobrança de Pepê.

Essa é a segunda vez que o Athletico chega à final da competição, criada em 1989. A outra vez foi em 2013, quando acabou perdendo o título para o Flamengo. No total, o clube paranaense soma 126 jogos, 49 vitórias, 46 empates e 31 derrotas na história da Copa do Brasil.

ESPECIALISTA
O elenco principal do Athletico não perde uma decisão por pênaltis há três anos. A última derrota foi para o mesmo Grêmio, nas oitavas de final da Copa do Brasil de 2016. Depois daquele confronto, venceu mais seis decisões nas penalidades (Millonarios na Libertadores 2017, Ceará na Copa do Brasil 2018, Bahia e Barranquilla na Sul-Americana 2018 e Flamengo e Grêmio na Copa do Brasil 2019). Nesse período, o time sub-23 teve três decisões por pênaltis e venceu duas (Toledo e Londrina). Só perdeu para o Rio Branco.

PREMIAÇÃO
A premiação acumulada pelo Athletico na Copa do Brasil é de R$ 12,3 milhões: R$ 2,5 milhões pelas oitavas de final, R$ 3,1 milhões pelas quartas e R$ 6,7 milhões pela semifinal. Se ficar com o vice, recebe mais R$ 21 milhões e termina a competição com R$ 33,3 milhões. Se conquistar o título, fatura mais R$ 52 milhões e encerra com R$ 64,3 milhões. O título também garante vaga na Copa Libertadores 2020.

HISTÓRIA
Em toda história da Copa do Brasil, criada em 1989, o Grêmio nunca havia sido desclassificado após conquistar uma vantagem por dois gols de diferença no jogo de ida. O clube gaúcho é o segundo maior campeão do torneio, com cinco títulos. Só perde para o hexacampeão Cruzeiro. No total, o Grêmio soma 183 jogos na história da Copa do Brasil, com 101 vitórias, 51 empates e 31 derrotas.

PÚBLICO
O jogo teve público total de 28.841 pessoas. O maior público pagante do Athletico na Arena em 2019 foi na vitória por 3 a 0 sobre o Boca Juniors, na fase de grupos da Copa Libertadores, com 32.133. O recorde do clube no estádio ocorreu na final da Copa Sul-Americana 2018, com 39.618 pagantes.

ARTILHEIRO
O centroavante argentino Marco Ruben chegou a dez gols em 27 jogos pelo Athletico em 2019. É o artilheiro do time na temporada. Foi o segundo gol dele na Copa do Brasil.

O meia Nikão chegou a três gols em 29 partidas pelo clube no ano.

ARBITRAGEM
Logo a 4 minutos, após escanteio e cabeceio de Geromel. A bola bateu na mão de Wellington. O VAR chamou o árbitro, que conferiu o monitor e não marcou a penalidade. Na Central do Apito do Sport, o ex-árbitro Paulo Cesar Oliveira afirmou que houve pênalti.

ESCALAÇÃO
O técnico Tiago Nunes não contava Jonathan e Bruno Nazário, lesionados, além de Madson e Thonny Anderson, que pertencem ao Grêmio. Léo Pereira estava suspenso. Pedro Henrique não pode jogar porque já atuou nessa edição pelo Corinthians. Adriano, Abner Vinícius e Everton Felipe foram contratados após o prazo de inscrições e também ficaram de fora.

O esquema tático foi o 4-2-3-1, com Léo Cittadini (centro), Nikão (direita) e Rony (esquerda) na linha de três.

O Grêmio não tinha o volante Maicon, lesionado, e o ponta Everton, suspenso. O time gaúcho também usou o 4-2-3-1.

PRIMEIRO TEMPO
O Grêmio tentou amarrar o jogo e apelou para a ‘catimba’, com jogadors provocando empurra-empurra e simulando contusões. Nos poucos minutos com a bola rolando, o Athletico foi melhor, principalmente com os avanços de Rony e os passes de Bruno Guimarães. O gol saiu aos 16, em boa jogada de Rony, que cruzou rasteiro para Bruno Guimarães. Ele chutou na trave. Nikão pegou o rebote e fez 1 a 0. Além do gol, o primeiro tempo teve poucos lances dos dois lados.

SEGUNDO TEMPO
O segundo tempo começou com gol, já aos 4 minutos. Rony cruzou e Marco Ruben fez de cabeça: 2 a 0. O Athletico seguiu mandando no jogo. O Grêmio estava atordoado e se complicou aos 14. Cittadini partiu em contra-ataque perigoso. Kannemann cometeu falta violenta e acabou expulso. O time gaúcho ficou com um jogador a menos e conseguiu reduzir o ímpeto ofensivo do adversário. Aos 28, o Furacão ficou mais ofensivo, com a saída do volante Wellington e a entrada do atacante Marcelo Cirino. Também aos 28, Tiago Nunes tirou Rony e colocou o ponta Vitinho. O time paranaense seguiu melhor, mas com dificuldades para criar chances reais. Aos 41, saiu Cittadini e entrou Lucho González.

ESTATÍSTICAS
Nos 90 minutos, o Athletico somou 12 finalizações (2 certas), 70% de posse de bola, 86% de acerto nos passes e 4 escanteios. O Grêmio obteve 8 finalizações (2 certas), 30% de posse de bola, 58% de acerto nos passes e 4 escanteios. Os números são do site Sofascore.
Bem Paraná

Comentários

comentários