Futebol

Fifa anunciará sede do Mundial Feminino de 2023 em 25 de junho; Brasil concorre

A Fifa anunciou nesta sexta-feira a data para o anúncio da próxima sede do Mundial Feminino, que será disputado em 2023. No dia 25 de junho, a entidade fará uma reunião online com o seu Conselho para definir o país escolhido para o evento. O Brasil está concorrendo com a Colômbia, o Japão e a candidatura conjunta de Austrália e Nova Zelândia.

Todas as propostas elegíveis serão apresentadas neste dia ao Conselho da Fifa, que fará uma votação aberta para selecionar o anfitrião do Mundial de 2023. A escolha passará por diversos critérios, incluindo as visitas técnicas realizadas aos países concorrentes no início deste ano.

“A Fifa confirmou às suas federações-membros que o Conselho selecionará o anfitrião da Copa do Mundo de Futebol Feminino da Fifa de 2023 na sessão que terá lugar no próximo 25 de junho em formato virtual”, disse a entidade em um comunicado. A entidade faria a reunião no início do próximo mês em Adis Abeba, na Etiópia, mas esta foi postergada pela pandemia do novo coronavírus, o que obrigou a realização de um encontro pela internet.

A proposta brasileira indicou jogos em oito cidades distribuídas em todas as regiões do país: Manaus (Arena Amazônia), Recife (Arena Pernambuco), Salvador (Arena Fonte Nova), Brasília (Mané Garrincha), Belo Horizonte (Mineirão), Rio de Janeiro (Maracanã), São Paulo (Arena Corinthians) e Porto Alegre (Beira-Rio).

Além disso, a CBF informa que foram mapeados mais de 60 centros de treinamento, 1.000 hotéis e estruturas em todas as cidades para realização de sorteios, workshops e eventos paralelos.

A edição de 2023 do Mundial Feminino terá, pela primeira vez na história, 32 seleções na disputa, seguindo o modelo atual da Copa do Mundo masculina. A última edição, na França, em 2019, alcançou a maior audiência da história, com mais de 1 bilhão de espectadores pelo mundo. Os Estados Unidos conquistaram o título com a vitória sobre a Holanda na final.
Bem Paraná – (Foto: Divulgação / CBF)

Comentários

comentários