Futebol

Reunião na CBF sobre volta da torcida aos estádios termina em confusão

Uma reunião por videoconferência, marcada pela Confederação Brasileira de Futebol (CBF) com representantes dos 20 clubes da Série A e que tinha como pauta a discussão sobre o possível retorno de público nos jogos da competição, terminou em discussão, xingamentos e sem nenhuma definição sobre o assunto. Os protagonistas dos momentos de maior tensão do encontro foram Rogério Caboclo, presidente da entidade, e Rubens Lopes, presidente da Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro (Ferj).

A reunião começou por volta das 17h e, logo no início, Caboclo propôs aos presentes a volta do público aos estádios. O presidente da CBF afirmou ainda que para que os torcedores retornassem às partidas a entidade teria de conversar com as prefeituras, mas que antes gostaria de ouvir a posição das equipes.

A maior parte dos representantes dos clubes optou pela isonomia – só seria liberada a presença da torcida se fosse para todas as equipes. Foi nesse ponto que surgiu o primeiro conflito. O Flamengo e a Ferj defenderam que o público deveria ser liberado nas cidades que concordassem com a decisão.

Palmeiras e Corinthians, entre outros, foram taxativos e não aceitaram. Nisso, Caboclo decidiu colocar em votação uma proposta para uma volta conjunta, sem data definida. Rubens Lopes pediu a palavra e lembrou que o pleito não poderia ser realizado, pois não se tratava de uma reunião arbitral, e sim de um simples encontro.

Caboclo ficou irritado com a interrupção. Com a voz elevada, passou a falar que era ele quem presidia a entidade e não outra pessoa. Lopes respondeu e, com ironia, perguntou se o presidente da CBF havia se esquecido de tomar o “Gardenal” (remédio controlado usado para tratar e prevenir convulsões e episódios de epilepsia).

Diante da incredulidade dos presentes, Walter Feldman, secretário da entidade, interveio e a reunião foi encerrada.

OUTROS TEMAS – No encontro, ainda houve uma rusga entre Mário Celso Petraglia, presidente do Athletico-PR, Caboclo e Lopes. Caboclo ainda queria debater assuntos relacionados ao novo coronavírus, mas não houve nenhuma discussão sobre o assunto.

A única decisão efetiva do encontro foi o aumento do número de jogadores inscritos por clube no Brasileirão – de 40 para 50 atletas.

A decisão de aumentar dez jogadores por clube se dá na semana que o Flamengo vive um surto de covid-19 dentro do seu elenco. Até esta quinta, são 16 jogadores infectados, além do presidente Rodolfo Landim e do vice de futebol, Marcos Braz.

Por isso, o clube carioca quer o adiamento de sua partida contra o Palmeiras, marcada para domingo às 16h no Allianz Parque. O pedido, que o Alviverde se opõe, não teve resposta da CBF e o Flamengo deve entrar com medida no Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) para não ter que atuar com jogadores das suas categorias de base. O time ainda quer ter o direito de não entrar em campo sem ser penalizado com a perda dos pontos.

Bem Paraná25

Comentários

comentários