Comportamento

Sexonambulismo: características e por que é tão polêmico

Você já ouviu falar em sexonambulismo? O termo é pouco conhecido, mas, na verdade, deveria ser mais explorado, conforme destaca o psicólogo e educador sexual Breno Rosostolato. A condição possui implicações sérias à vida – não apenas da pessoa que é acometida pelo distúrbio, como também, daquelas que convivem com ela.

Por que o sexonambulismo é tão polêmico?

FOTO: ISTOCK

A terapeuta sexual Leila Cristina comenta que a sexsomnia foi reconhecida como uma doença pela primeira vez em 2014. E, em 2018, a Academia Americana de Medicina do Sono (AASMNET) a incluiu em seu catálogo. “Ela faz parte do grupo de doenças conhecidas como parassonias, atividades motoras que são realizadas durante o período do sono”, diz.

O psicólogo Rosostolato explica que existe uma prevalência do distúrbio mais em homens (86%) do que mulheres. “É importante ressaltar que são pessoas que mantêm o mesmo padrão sexual dormindo, como se estivessem acordadas e que tendem a não lembrar do que ocorreu no dia seguinte”, diz.

O sexonambulismo é polêmico, conforme explica Rosostolato, porque houveram muitos casos de homens que tiveram relações sexuais com outras pessoas, sem o consentimento delas, o que configura estupro, e alegaram não lembrar de nada.

Características do sexonambulismo

FOTO: ISTOCK

Os comportamentos sexuais relacionados ao sexonambulismo, de acordo com Leila, incluem:

  • Masturbação
  • Carícias
  • Sexo oral
  • Relações sexuais que podem atingir o clímax (orgasmo)
  • Agressão sexual/estupro

Leila ressalta que foi feita uma pesquisa online pela University Health Network, em Toronto (2006), onde constatou-se que 2/3 dos casos relatados ocorriam com homens.

“As causas incluem: consumo de álcool, uso de drogas, fadiga e estresse, além dos distúrbios do sono como apnéia obstrutiva. Outra causa de sexsomnia é a epilepsia relacionada ao sono, que pode resultar em excitação sexual, impulso pélvico e orgasmos”, explica a terapeuta sexual.

A terapeuta sexual alerta, porém, que não se deve confundir sexonambulismo (sexsomnia) com ereção noturna, um fato bastante comum pelas alterações hormonais no homem durante o sono. “Na doença, a pessoa precisa estar ativa para conseguir o prazer sexual, seja sozinha, se masturbando ou com o/a parceiro(a)”, destaca.

O diagnóstico do sexonambulismo, conforme explica Leila, deve ser feito em hospitais ou em clínicas especializadas, por meio do estudo das ondas cerebrais do paciente (polissonografia noturna, eletroencefalograma).

FOTO: ISTOCK

Breno Rosostolato destaca que o distúrbio não tem cura. “É muito importante a pessoa buscar ajuda e orientação médica e psicoterápica. Conhecer sobre o assunto é necessário para saber como lidar com este distúrbio, bem como os métodos e procedimentos existentes para atenuar os agravantes e dificuldades”, diz.

Leila ressalta que a primeira coisa a se fazer é procurar ajuda médica para os distúrbios do sono, pois uma pessoa com sexsomnia pode experimentar muitas emoções negativas, incluindo:

  • Frustração
  • Raiva
  • Confusão
  • Negação
  • Medo
  • Repulsão
  • Culpa
  • Vergonha

“Essas emoções negativas frequentemente levam a um tremendo estresse. O comportamento sexual durante o sono, seja agressivo ou não, para se a pessoa for despertada; por isso é importante que quem sofre desta doença converse com seu/sua parceiro/a pois ele estará agindo sem ter consciência ou memória do ocorrido”, acrescenta Leila.

Rosostolato explica ainda que existem indicações de tratamentos medicamentosos, como antidepressivos, para pessoas que sofrem deste distúrbio. “É importante a pessoa buscar entender este tipo de sonambulismo investigando os distúrbios ligados ao sono. A psicoterapia, assim como técnicas de relaxamento e que promovam uma melhor respiração (como o yoga), são indicadas”, diz.

Leila Cristina comenta que o tratamento combina terapia e mudanças no estilo de vida do paciente. “Álcool, ansiedade e estresse devem ser evitados, pois podem ser gatilhos sexuais do sono. Os médicos costumam prescrever antidepressivos e/ou sedativos, acabando com os sintomas entre um a três meses. Também é possível tomar certas precauções, como dormir em um quarto separado com a porta trancada até que estes sintomas já estejam controlados”, acrescenta.

Agora você já sabe o que é o sexonambulismo e entendeu o porquê de ele ser tão polêmico. Leia mais também sobre insônia e formas de combatê-la.

Comentários

comentários