Paraná

Paraná tem um dos piores índices de isolamento social do país e 9 em cada 10 empresas estão em operação

O índice de isolamento social atingiu no Paraná um dos mais baixos níveis desde o início da crise do coronavírus, em meados de março. Segundo boletim conjuntural divulgado hoje (14 de maio) pelas secretarias de Planejamento e Projetos Estruturantes e da Fazenda, na última semana 38,7% da população paranaense estava em casa. Apenas os estados do Mato Grosso do Sul (37,92%), do Mato Grosso (37,91%), de Goiás (37,49%) e do Tocantins (36,95%) apresentavam índices menores.

Os números foram calculados pela empresa In Loco em 10 de maio com base nas informações de geolocalização dos celulares. Entre o final de março e o começo de abril, o Paraná chegou a ter mais da metade da população em isolamento social, mas os índices foram caindo na medida em que os discursos do presidente da República Jair Bolsonaro e do Ministério da Saúde foram se tornando dissonantes, com o primeiro buscando flexibilizar as medidas de isolamento, enquanto o segundo reforça a necessidade de as pessoas permanecerem, ao máximo possível, em suas casas, isoladas.

Na mesma medida em que o índice de isolamento social foi caindo, as empresas de todo o estado também foram retomando suas atividades. Cerca de 89% dos estabelecimentos que emitem documentos fiscais (NF-e ou NFC-e) estavam com operação normal no estado na última semana, sendo que em Toledo, Pato Branco, Araucária e Umuarama o índice chega a 95%. O resultado é um comparativo com o patamar de normalidade (valor referência igual a 100) da segunda semana de março.

O período que registrou maior queda no número de empresas em atividade foi entre 23 e 27 de março, logo após o Governo do Estado listar os setores essenciais e recomendar o fechamento dos não-essenciais. Cerca de 54% estavam abertas e algumas cidades atingiram patamares inferiores a 50%: Cianorte (37%), Umuarama (40%), Foz do Iguaçu (40%), Francisco Beltrão (42%) e Pato Branco (44%).

Essa análise leva em consideração apenas empresas formais que emitiram ao menos uma nota fiscal nesses dois meses. Segundo a Receita Estadual, com base nesse indicador, ainda estão fechadas aproximadamente 8,4 mil estabelecimentos do Simples Nacional e 2,3 mil do Regime Normal.

Não à toa, o balanço de atividade econômica aponta aumento de 5,4% entre a semana encerrada em 10 de maio e a de 3 de maio. No confronto com a semana de 16 de abril, quando foi anotado o menor nível de movimentação econômica, o aumento foi de 36,8%.

Na comparação de todo o período da pandemia, entretanto, houve decréscimo de -18,8% na atividade. As maiores quedas foram registradas nas macrorregiões de saúde Leste (-20,5%), Norte (-19,2%), Noroeste (-19%) e Oeste (-12,7%).

Entre março e maio, houve retração de -17,4% no comércio e na alimentação e de -20,5% no segmento industrial. A redução mais expressiva na atividade industrial foi contabilizada no Leste (Litoral, Região Metropolitana de Curitiba, Capital e Campos Gerais), com contração de 27,3%. A macrorregião Norte, de Londrina, registrou a maior queda no comércio e alimentos, 25,4%.

Arrecadação do estado com ICMS cai 17%

Uma das principais fontes de receita para o Estado, o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) teve queda de 17% no Paraná no mês de abril. Se considerados todos os quatro primeiros meses do ano, a variação na comparação com o ano anterior foi de -3,8%. Pelos cálculos da Fazenda, o resultado reflete as variações negativas de março (-6,3%) e abril (-16,9%) e representa R$ 405,3 milhões a menos nos cofres públicos.

Numa análise com outros estados, o Paraná se encontra em patamar similar a perdas de ICMS em abril com São Paulo (19%), Pernambuco (16%), Mato Grosso (15%) e Rio Grande do Sul (13%). A perda de arrecadação impacta diretamente os municípios, uma vez que a legislação exige distribuição obrigatória de 25%.

Segundo as projeções, a tendência de queda de arrecadação é maior que a reposição prevista no auxílio federal aprovado pelo Congresso, de R$ 1,9 bilhão. Em abril, houve queda de R$ 448,6 milhões de ICMS e em maio deve ser de até R$ 740 milhões. A perda em dois meses chegaria a R$ 1,18 bilhão, quase 70% do total que será repassado para o Estado no quadrimestre.

Volume de vendas cresce em quase todos os setores

O boletim também mostra crescimento no volume de vendas na comparação com o começo da pandemia, em março, mas índices bem inferiores ao Dia das Mães de 2019 – a data comemorativa é a segunda mais importante do comércio, atrás apenas do Natal.

Os resultados na semana encerrada no dia 10 de maio indicam aumento em praticamente todos setores na comparação com a semana anterior, impulsionado justamente pelas compras de Dia das Mães e ausência de feriado. Os índices positivos foram registrados em hipermercados e supermercados; farmácias; áudio, vídeo e eletrodomésticos; lojas de materiais de construção e ferragens; informática e telefonia; vestuário e acessórios; calçados; e cama, mesa e banho. Apenas restaurantes e lanchonetes perderam clientes.

Na comparação com a semana de 2 a 8 de março, marco zero do estudo de vendas, apenas hipermercados e supermercados; calçados; e áudio, vídeo e eletrodomésticos registram índices iguais ou superiores àquele período, também indicado como 100, o que facilita a identificação das variações subsequentes.

Nas vendas destinadas a pessoas físicas, diversos setores indicaram crescimento em relação ao começo da pandemia, como linha branca; telefone celular; televisores; móveis; colchões; iluminação; carnes, peixes e frutos do mar; frutas, verduras, raízes; laticínios, ovos, mel; cereais, farinhas, sementes, café, chá; e produtos oriundos do setor metalúrgico. Ainda estão em patamar inferior a março os setores de bebidas não alcoólicas; produtos químicos; plásticos, borrachas, papel e celulose; automóveis e motocicletas; caminhões e ônibus; tratores; e partes, peças e acessórios automotivos.

Na análise que leva em consideração as vendas específicas do Dia das Mães (de 4 a 10 de maio de 2020 com a semana de 6 a 12 de maio de 2019), houve aumento no setor de hipermercados e supermercados (17%); áudio, vídeo e eletrodomésticos (7%); materiais de construção e ferragens (5%); e farmácias (4%). Na contramão, houve quedas expressivas em restaurantes e lanchonetes (-59%); calçados (-39%); vestuário e acessórios (-34%); cosméticos, perfumes e higiene pessoal (-29%); cama, mesa e banho (-25%); e informática e telefonia (-6%).

Bem Paraná

Comentários

comentários